Você é chocólatra?

1 de julho de 2012
Por

O chocolate é muito apreciado praticamente no mundo todo, sendo inclusive usado como forma de presente em inúmeras culturas. O chocolate é um alimento único: a manteiga de cacau (que é a gordura do chocolate) derrete ao ser colocada na boca, liberando deliciosos aromas e propiciando uma textura ímpar.

A história do chocolate começa com os Astecas, na região onde hoje é o México, que usavam as sementes do cacau no preparo de uma bebida amarga, que acreditavam ter propriedades energéticas, medicinais e afrodisíacas. O cacau foi levado para a Europa em 1528 e só começou a ser usado para o preparo de barras de chocolate em 1847. Atualmente, a Suíça e a Inglaterra são os países onde mais se consome chocolate: cerca de 10 kg por pessoa a cada ano.

Sabe-se que nós já nascemos com uma preferência pelo sabor doce e que aprendemos rapidamente a gostar mais dos alimentos que são boas fontes de energia (como alimentos doces e gordurosos). Este aprendizado natural faz com que sintamos vontade de comer alimentos mais calóricos quando estamos com fome.

Por outro lado, os alimentos também nos proporcionam prazer emocional e acredita-se que cerca de metade das pessoas comem mais quando estão sob estresse. A outra metade se divide em pessoas que comem menos ou que não alteram a quantidade de alimentos que ingerem quando estão estressadas.

Para essas pessoas que comem mais quando estão sob estresse, o alimento tem um efeito de recompensa. Este efeito é mais comum nas mulheres e, dentre todos, o chocolate é o alimento mais consumido com esse objetivo.

Mas o prazer de comer chocolate também causa um efeito psicológico negativo para muitas pessoas que têm compulsão por chocolate (os chamados chocólatras): a culpa. Esta ambivalência é caracterizada pelo forte desejo de comer chocolate ao mesmo tempo que se sente que este consumo deve ser evitado ou controlado, devido seu alto conteúdo energético: cerca de 550 quilocalorias em apenas 100 gramas de chocolate ao leite!.

Mas o chocolate também tem propriedades nutritivas. Os principais constituintes de sua gordura são o ácido esteárico e o ácido oleico, que não aumentam o colesterol ruim (LDL colesterol), apresar de uma pequena porção ser de ácido palmítico, que aumenta o colesterol ruim. Além disso, o chocolate é rico em polifenóis, que são substâncias antioxidantes benéficas para o sistema cardiovascular, especialmente os polifenóis do tipo flavonóides. Desta forma, quando ingerido em quantidade moderada, o chocolate pode ser um alimento bom para a saúde. O problema é conseguir comê-lo em quantidade moderada…

Como lidar com a compulsão por comer chocolate?

Um estudo mostrou que pessoas orientadas a comer chocolate quando estão com bastante fome têm mais tendência a ter crises de desejo de comer chocolate. Por outro lado, pessoas orientadas a comer chocolate somente após as refeições (quando já estão saciadas), tendem a ter menos estes episódios.

Desta forma, se você é chocólatra e quer tentar controlar suas crises de desejo por chocolate, procure comer chocolate somente após as refeições e dê preferência para os chocolates com maior quantidade de cacau (meio amargo e amargo), pois têm menos gordura, menos açúcar e mais propriedades nutritivas.

Além disso, ficar sem comer chocolate por algumas semanas pode diminuir as crises de desejo pelo chocolate, pois o hábito não é reforçado e o organismo tende a mudar os alimentos desejados quando sente fome.

Referência: Gibson, EL. Emotional and Behavioral Aspects of Chocolate Eating. In: Preedy VR et al., editor. Handbook of behavior, food and nutrition. New York: Springer, 2011. p. 601-620.

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*