Transtorno da compulsão alimentar periódica

30 de setembro de 2012
Por

homem comendo compulsivamenteO transtorno da compulsão alimentar periódica ou binge eating disorder é um transtorno alimentar no qual a pessoa come compulsivamente uma quantidade de comida maior do que a maioria das pessoas comeria em um determinado período de tempo.

Nesses episódios de compulsão alimentar, em geral a pessoa come mais rápido que o normal, come muito mesmo sem estar com muita fome, come até se sentir desconfortavelmente cheia, procura comer sozinha pois sente vergonha de comer na frente de outras pessoas e sente-se culpada, angustiada ou deprimida por ter comido muito.

O fato de uma pessoa ter episódios de compulsão alimentar não significa que ela tenha o transtorno da compulsão alimentar periódica. Para caracterizar o transtorno, esses episódios devem ocorrer pelo menos duas vezes por semana por, no mínimo, três meses consecutivos.

Episódios de compulsão alimentar também ocorrem na bulimia nervosa. A diferença é que na bulimia existem comportamentos compensatórios, como provocar o vômito, com o objetivo de purgar o excesso de comida.

O transtorno da compulsão alimentar periódica atinge cerca de 3,5% das mulheres e 2% dos homens ao longo da vida, sendo possivelmente o transtorno alimentar mais comum. A idade média de início dos sintomas é aos 25 anos e cerca de 50% das pessoas tem sobrepeso ou obesidade.

Devido à relação que existe entre o transtorno da compulsão alimentar periódica, o ganho de peso e as tentativas de fazer dietas restritivas, um estudo investigou qual dos três começava antes: as compulsões, a dieta ou o ganho de peso. Dentre os pacientes que procuraram uma clínica para emagrecer, 63% informaram que primeiro começaram a engordar, 21% disseram que começaram a fazer dieta primeiro e 16% relataram que as compulsões vieram antes.

Com base nesses resultados, percebemos que não existe uma sequência única de eventos. Poderíamos esperar que a situação mais comum fosse que os episódios de compulsão alimentar começassem primeiro (devido a problemas psicológicos, por exemplo) e que a pessoa ganhasse peso em decorrência das compulsões. Entretanto, a ordem mais comum de eventos foi justamente o contrário: o ganho de peso precedeu as compulsões. A explicação mais plausível para esse fato é que as pessoas começam a ganhar peso e fazem dietas restritivas, as quais desencadeiam as compulsões.

Isso nos faz refletir sobre os diversos problemas psicológicos relacionados com o humor ou com a ansiedade que esse ganho de peso pode trazer para o indivíduo, decorrente da cultura da imagem e do estigma da obesidade, amplamente difundidos na nossa sociedade.

De fato, a presença de problemas psicológicos ou psiquiátricos relacionados com o humor ou com a ansiedade é comum nos pacientes com o transtorno da compulsão alimentar periódica. Dentre eles, podemos destacar a fobia social (medo irracional de fazer qualquer atividade em público, como conversar e comer em público), fobias específicas (medo irracional de objetos ou situações específicas, como voar de avião, medo extremo de altura, medo irracional de animais, de tomar injeção ou tirar sangue, por exemplo), depressão, transtorno do estresse pós-traumático (um tipo de transtorno de ansiedade que ocorre após importantes traumas psicológicos) e o abuso de álcool e drogas.

Dentre as consequências desse transtorno alimentar, estão as próprias consequências da obesidade, como diabetes, aumento do colesterol ou dos triglicérides (dislipidemia) e hipertensão arterial, além das consequências dos sintomas psicológicos que normalmente acompanham a doença, como isolamento social, ansiedade e depressão. O tratamento é multidisciplinar, incluindo acompanhamento nutricional, médico e psicoterápico, particularmente um tipo de abordagem chamada terapia cognitivo-comportamental.

Referência: Sysko, R et al. Binge-eating disorder: Overview of treatment in adults. In: UpToDate, Basow, DS (Ed), UpToDate, Waltham, MA, 2012.

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*