Transtorno alimentar noturno

3 de outubro de 2012
Por

mulher comendo à noiteO transtorno alimentar noturno, também conhecido por síndrome alimentar noturna, síndrome do comer noturno, fome da meia-noite ou night eating syndrome é um transtorno alimentar caracterizado pelo hábito de comer mais da metade das calorias do dia todo no período noturno, após o jantar, geralmente em episódios de compulsão alimentar por carboidratos (principalmente doces), que são acompanhados pelo sentimento de culpa por ter comido. Essas pessoas em geral têm dificuldade para pegar no sono ou manter o sono e tendem a falar enquanto dormem em uma frequência maior do que a população em geral. É comum não ter apetite no café da manhã, em geral fazendo a primeira refeição somente várias horas após acordar.

Observação: pessoas que trabalham à noite e dormem durante o dia têm o ritmo circadiano invertido e devem considerar essa inversão nos critérios (ou seja, o horário de dormir dessas pessoas pode ser às 8 horas da manhã e não às 11 horas da noite).

Esse transtorno alimentar afeta cerca de 1 a 2% da população, sendo mais comum em mulheres. Pessoas com esse transtorno têm maior tendência ao sobrepeso e à obesidade. Em pessoas obesas esse transtorno ocorre em cerca de 20 a 30% dos pacientes. Em obesos candidatos a cirurgia bariátrica (ou seja, muito obesos) a prevalência varia de 30 a 50%. Além disso, cerca de metade das pessoas que estão acima do peso e têm esse transtorno referem que tinham peso normal antes de desenvolverem o hábito de comer muito à noite.

Pessoas com a síndrome alimentar noturna geralmente sofrem de problemas psicológicos ou psiquiátricos, como depressão, estresse e transtorno de ansiedade e comumente usam a comida como forma de recompensa, para tentar aliviar os sintomas psicológicos

O transtorno alimentar noturno se diferencia do transtorno da compulsão alimentar periódica principalmente pelo horário que as compulsões ocorrem e pelo fato de que esses episódios de comer compulsivamente em geral duram várias horas, nas quais a pessoa fica “beliscando” guloseimas, em vez de comer muito e muito rápido até ficar desconfortavelmente cheia. Esse transtorno não deve ser confundido com um outro problema chamado de transtorno alimentar relacionado ao sono, que é um tipo de sonambulismo muito raro, no qual a pessoa se levanta da cama dormindo, caminha até a cozinha (ou outro local que tenha comida), come e volta para a cama normalmente sem acordar.

A principal consequência da síndrome alimentar noturna é a obesidade e seu tratamento envolve acompanhamento médico, nutricional e psicoterápico.

Referência: Adami, GF. Feeding Behavior and Body Mass Index. In: Preedy VR et al., editor. Handbook of behavior, food and nutrition. New York: Springer, 2011. p. 891-910.

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*