Refrigerante pode causar hiperatividade em crianças?

22 de julho de 2012
Por

Lata de refrigeranteO benzoato de sódio é um conservante muito usado em refrigerantes, sucos, molhos, geleias e margarina. Ele tem ação antimicrobiana, evitando que o alimento se deteriore e aumentando a durabilidade do alimento industrializado.

Nos últimos anos, diversos estudos têm sugerido que o uso de corantes e conservantes nos alimentos industrializados possam estar relacionados com o aparecimento ou piora dos sintomas de um problema chamado déficit de atenção e hiperatividade, ou TDAH, que é um distúrbio no qual a pessoa tem grande dificuldade de se concentrar, distraindo-se muito facilmente e em geral sendo muito agitada e impulsiva.

Na última década tem aumentado o número de crianças que recebem o diagnóstico de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Sabe-se que a maioria dos casos de TDAH tem causa genética, mas o aparecimento dos sintomas tem influência de diversos fatores ambientais, como problemas durante a gestação e falta de estrutura familiar.

Um estudo com bom grau de evidência (randomizado, duplo-cego, controlado) sugeriu que o consumo de alimentos com corantes artificiais e/ou com o conservador benzoato de sódio possa aumentar os sintomas do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em crianças.

O mecanismo pelo qual o benzoato de sódio pode desencadear os sintomas da TDAH é bem complexo e ainda é objeto de investigação científica. Em poucas palavras, o benzoato de sódio inibe uma enzima chamada chamada D-aminoácido oxidase, que é responsável por degradar aminoácidos que têm uma forma chamada de dextrógira (D-aminoácidos). Um desses aminoácidos, chamado D-serina, ativa receptores chamados N-metil D-Aspartato (NMDA), cuja função anormal está envolvida com doenças psiquiátricas, como esquizofrenia e TDAH.

Até a presente data não existem estudos que tenham confirmado o nexo de causalidade entre o consumo desses aditivos alimentares e o desenvolvimento de hiperatividade em crianças geneticamente predispostas. Independentemente disso, pode-se afirmar com certeza que  ter uma alimentação saudável e fazer exercícios físicos não competitivos regulares traz inúmeros benefícios para a saúde e, a cada dia que passa, mais benefícios são descobertos pela ciência.

Referência: Hashimoto, K. Food Coloring, Sodium Benzoate Preservative, and D-serine: Implications for Behavior. In: Preedy VR et al., editor. Handbook of behavior, food and nutrition. New York: Springer, 2011. p. 577-584.

 

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*