Como posso confiar no que é publicado sobre Nutrição?

1 de junho de 2012
Por

A Nutrição é a ciência que estuda como o nosso corpo utiliza os alimentos e quais são os efeitos dos alimentos no nosso corpo.

Assim como em outras ciências, a criação do conhecimento é gradual e amparado por um conjunto de técnicas chamadas de método científico. Essas técnicas incluem observação, mensuração, experimentação, formulação de hipóteses e teste de hipóteses.

É comum no meio científico que diferentes estudos apresentem resultados conflitantes. A investigação destes resultados com novos estudos é que faz com que o conhecimento seja aperfeiçoado. Esse é o processo normal de construção do conhecimento científico.

A comunidade científica avalia os resultados dos diversos estudos por meio da análise do grau de evidência. Com o tempo, as recomendações que chegam às pessoas vão sendo revistas, face às novas descobertas, e novos paradigmas (novas verdades) vão surgindo.

Entretanto, é comum a mídia (tanto impressa como eletrônica) extrapolar os resultados de estudos isolados com baixo grau de evidência. Isso pode ocorrer porque quem está escrevendo sobre o assunto não sabe interpretar resultados de estudos científicos.

Mas pode ocorrer também porque o objetivo da publicação não é esclarecer as pessoas sobre determinado assunto, mas simplesmente causar impacto nos leitores, ou seja, chamar a atenção para uma determinada notícia e assim aumentar a audiência em um determinado veículo de informação. Esse tipo de postura é chamado de sensacionalismo. Nesse caso, é comum que estudos cujos resultados são contrários às recomendações mais comuns sejam escolhidos propositalmente, com o único objetivo de atrair a atenção dos leitores.

Independente da causa, essas publicações causam grande frustração nas pessoas e descrença para com a comunidade científica, já que a impressão que é passada é que cada um fala uma coisa diferente e que ninguém sabe de nada.

Seguem abaixo algumas dicas que podem te ajudar a avaliar o grau de evidência das informações que são divulgadas:

O estudo científico foi feito com pessoas?

Se o estudo foi feito em células, tecidos ou animais, seus resultados nunca devem ser extrapolados diretamente para os seres humanos. A escolha de alimentos pelas pessoas é um processo complexo e envolve fatores sociais, econômicos, religiosos, culturais, geográficos, sazonais e psicológicos, para citar alguns. É simplesmente impossível reproduzir essa complexidade no ambiente controlado de um estudo experimental com animais. Esses estudos normalmente servem de ponto inicial para a elaboração de hipóteses que serão testadas em estudos com seres humanos.

Qual o número de indivíduos envolvidos?

Estudos populacionais, que envolvem grande número de pessoas, e multicêntricos, que envolvem pessoas de diversos locais, têm maior grau de evidência do estudos pequenos realizados e em um só local.

A reportagem cita apenas os resultados de um estudo isolado ou de diversos estudos?

Estudos que complementam os resultados de outros trabalhos sobre o mesmo tema ou estudos que analisam os resultados de diversos trabalhos científicos (como as revisões bibliográficas e as metanálises), têm maior grau de evidência do que estudos isolados.

O estudo analisa desfechos reais de doenças ou marcadores de doenças?

Estudos que avaliam o desfecho de doenças, como o infarto do coração, têm maior grau de evidência do que aqueles que avaliam apenas marcadores de doenças, como resultados de exames.

O estudo é retrospectivo ou prospectivo?

Grandes estudos que seguem um grupo de pessoas ao longo do tempo (chamados de estudos de coorte e estudos randomizados) tendem a gerar resultados mais confiáveis, portanto de maior grau de evidência, do que estudos que somente perguntam para as pessoas informações sobre seus hábitos (que são os estudos caso-controle).

Os estudos retrospectivos do tipo caso-controle são aqueles que comparam um grupo de pessoas que tiveram alguma doença (casos) com um grupo similar de pessoas que não tiveram a doença (controles). Esse tipo de estudo tem a vantagem de identificar quais fatores estão relacionados à doença e são mais rápidos. Por outro lado, esse tipo de estudo depende de informações sobre o passado dessas pessoas e nem sempre essas informações podem ser obtidas fielmente.

Nos estudos prospectivos do tipo coorte muitas pessoas são acompanhadas durante um longo tempo. Os pesquisadores obtêm diversos tipos de informação dessas pessoas, incluindo a ocorrência das doenças.

Os estudos randomizados são semelhantes aos estudos de coorte, mas aqui as pessoas são divididas aleatoriamente em dois grupos e um dos grupos recebe uma determinada intervenção (um medicamento ou uma dieta, por exemplo). O acompanhamento dos grupos permite aos pesquisadores identificar o efeito da intervenção com relação à ocorrência de doenças.

Conclusão

Ao ler qualquer informação que se diz ser baseada em conhecimento científico, avalie criticamente se há segundas intenções por trás da publicação e se quem está escrevendo tem competência técnica para interpretar estudos científicos. É fundamental que possamos confiar naquilo que estamos lendo sobre Nutrição, já que um dos principais fatores que podem contribuir para a melhora da saúde é fazer uma alimentação saudável.

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

One Response to Como posso confiar no que é publicado sobre Nutrição?

  1. Maria Bernardete Portella on 14 de junho de 2012 at 0:53

    Gostei muito da apresentação.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*