Atividade física e controle do apetite

24 de novembro de 2012
Por

mulher com roupa de ginástica medindo a circunferência abdominalSabe-se que a causa da obesidade envolve diversos fatores que, no final das contas, resultam em um balanço energético positivo no longo prazo, ou seja, o consumo calórico é maior do que o gasto energético.

Estudos sugerem que o estilo de vida moderno, com pouca atividade física, possa contribuir para a dificuldade que as pessoas têm de diminuir o consumo calórico até atingir o equilíbrio com o gasto energético de uma vida sedentária.

Sabe-se que o controle do apetite envolve sinais cerebrais, hormônios e diversos sinais metabólicos periféricos (de diversos órgãos e tecidos do corpo). Esses sinais metabólicos podem ser classificados em episódicos e tônicos.

Os sinais episódicos são aqueles liberados pelo sistema digestório (estômago, intestino) em resposta à ingestão de alimentos e têm efeito agudo (imediato) sobre o apetite, sinalizando o status nutricional de curto prazo. Já os sinais tônicos são aqueles liberados pelo tecido adiposo (considerado hoje um órgão endócrino) e têm efeito crônico (constante) sobre o apetite, sinalizando o status nutricional de longo prazo (homeostase).

Tem-se sugerido que a adoção de um estilo de vida sedentário em geral não é acompanhada de uma diminuição na ingestão energética, para compensar a queda no gasto de energia, levando a um balanço energético positivo ao longo do tempo.

Curiosamente, a inatividade física parece desregular não somente o balanço energético de longo prazo (sinais tônicos) mas também o controle do apetite de curto prazo (sinais episódicos).

Estudos mostram que a atividade física regular melhora a sensibilidade dos mecanismos de controle que promovem o equilíbrio entre a ingestão e o gasto energético, tanto no curto quanto no longo prazo. Esse efeito é mediado pelos hormônios leptina e grelina.

No curto prazo, a atividade física regular promove um efeito chamado compensação de energia, por meio do qual o aumento da ingestão de energia em uma dada refeição é compensada na refeição seguinte, na qual a pessoa sente-se saciada mais rapidamente.

No longo prazo, a atividade física regular promove um melhor balanço energético, fazendo com que o organismo mantenha um peso mais adequado em relação à altura (chamado ponto de ajuste ou set point).

Vale ressaltar que esses efeitos foram mais evidentes nos homens do que nas mulheres. Além disso, esses efeitos foram observados somente com a atividade física regular. Pessoas que praticam atividade física esporádica ou com frequência irregular estão sujeitas a ter um aumento do apetite após a atividade física, sem que se beneficiem do melhor controle do balanço energético.

Referência: Martins, C et al. The Effects of Exercise on Appetite Control. In: Preedy VR et al., editor. Handbook of behavior, food and nutrition. New York: Springer, 2011. p. 1087-1105.

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*