As funções dos carboidratos no nosso organismo

8 de dezembro de 2012
Por

cesta de pãesOs carboidratos são a principal fonte de energia de nossa dieta e sua principal origem são os vegetais, como o trigo, o milho, o arroz e a batata.

Os carboidratos são compostos de átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio na proporção de 1:2:1. A fórmula da glicose, por exemplo, é C6H12O6, ou seja, ela tem 6 átomos de carbono, 12 de hidrogênio e 6 de oxigênio. Ela é um monossacarídeo, pois é a menor unidade de carboidrato que existe de forma isolada. Os outros dois monossacarídeos presentes na alimentação humana são a frutose e a galactose.

Quando dois monossacarídeos estão ligados, eles formam um dissacarídeo. Por exemplo, a glicose e a frutose juntas formam um dissacarídeo chamado sacarose, que é o açúcar da cana-de-açúcar. Da mesma forma, glicoses formam o dissacarídeo maltose e uma glicose com uma galactose formam o dissacarídeo lactose, que é o açúcar presente no leite.

Os carboidratos são classificados de acordo com o tamanho da molécula. São chamados de carboidratos simples ou açúcares quando suas moléculas são compostas de apenas um ou dos monossacarídeos (que são os exemplos citados acima). Se tiverem três ou mais monossacarídeos, são chamados de carboidratos complexos. Estes, por sua vez, são chamados de oligossacarídeos, quando tiverem de 2 a 10 monossacarídeos, e de polissacarídeos, quando tiverem mais de 10 monossacarídeos.

Os polissacarídeos são o principal tipo de carboidrato de nossa alimentação. São os amidos e as fibras. A diferença entre eles é que nós conseguimos digerir (quebrar) os amidos, absorvendo seus monossacarídeos e produzindo energia a partir deles (cada grama de carboidrato tem 4 kcal). Já as fibras não são digeridas e nem absorvidas pelo nosso organismo.

Os amidos são constituídos de diversas moléculas de glicose. Durante a digestão, nós quebramos as moléculas de amido em moléculas de glicose e as absorvemos. Quando nós ingerimos dissacarídeos que contêm os monossacarídeos frutose e galactose na fórmula, nós os absorvemos e nosso fígado os transforma em glicose, que pode então ser usada para a produção de energia pelas células ou para armazenamento na forma de gordura ou de glicogênio (que é um tipo de carboidrato complexo que armazenamos no fígado e nos músculos).

O nosso corpo também consegue produzir glicose a partir de outros nutrientes, como os aminoácidos (presentes nas proteínas) e o glicerol (presente nas gorduras), por uma via metabólica chamada de gliconeogênese.

Por sua vez, as fibras podem ser classificadas em solúveis e insolúveis, conforme sua dispersão (solubilidade) na água. As fibras insolúveis, como a celulose e a hemicelulose, estão amplamente presentes nas verduras, sementes, cascas de frutas e no farelo de trigo, por exemplo. Essas fibras são importantes para o bom funcionamento do intestino, pois absorvem água e mantêm o volume do bolo fecal, facilitando o trânsito intestinal. Já as fibras solúveis, como a pectina, a betaglucana e a lignina, estão presentes em alimentos como aveia, arroz integral, feijão, ervilha, cenoura e diversas frutas.

As fibras solúveis são muito importantes para a nossa saúde, pois parte delas serve de alimento para bactérias que normalmente estão presentes nos nosso intestino (por exemplo, os lactobacilos), auxiliando no funcionamento normal do intestino. Como essas fibras servem de alimento para essas bactérias, elas são chamadas de prebióticos. Alguns as chamam de fibras funcionais. Já essas bactérias, quando presentes em alimentos (como iogurte, por exemplo), são chamadas probióticos. Diversos estudos mostram que as fibras solúveis também exercem importante papel no controle do colesterol, das taxas de açúcar do sangue e na manutenção do peso.

Referência: Campbell, BI and Spano, MA. Foods and Fluids for Training and Sport Performance. In: Campbell, BI and Spano, MA, editors. NSCA’s Guide to Sport and Exercise Nutrition. Champaing, IL: Human Kinetics, 2011. p. 1-10.

 

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*