Anorexia nervosa

22 de setembro de 2012
Por

garota muito magraA anorexia nervosa é um transtorno alimentar no qual a pessoa se recusa em manter um peso minimamente normal, tem muito medo de engordar, tem uma percepção distorcida do próprio corpo, acreditando que tem que perder mais peso, mesmo estando magra. As mulheres em idade fértil com anorexia, devido à grave desnutrição, param de menstruar por pelo menos três meses seguidos.

A anorexia nervosa atinge 0,9% das mulheres e 0,3% dos homens ao longo da vida e normalmente os sintomas começam na adolescência. Esses pacientes perdem peso ou mantêm um peso muito baixo de várias formas. A forma mais comum é reduzindo drasticamente a ingestão de alimentos, principalmente os mais calóricos, sendo comum que a pessoa superestime o conteúdo energético dos alimentos. Em alguns casos, a pessoa se limita a comer uma variedade muito reduzida de alimentos e chega a evitar sair para comer com outras pessoas devido o constrangimento que sente quando os outros percebem seus hábitos alimentares bizarros.

Alguns pacientes chegam a fazer jejum por um dia inteiro ou até mais. Em outros casos, chegam a fazer exercícios físicos exageradamente, por vezes durante longos períodos, por vezes em horários ou sob condições climáticas inapropriados ou mesmo estando com alguma lesão muscular.

Da mesma forma que ocorre na bulimia nervosa, os pacientes com anorexia podem apresentar comportamentos compensatórios inapropriados, chamados de comportamentos purgativos ou purging behaviors, como o uso de laxantes, diuréticos ou enemas (lavagens intestinais) ou a indução do vômito. Esses comportamentos são ditos purgativos, pois é uma tentativa da pessoa expurgar, limpar, remover do corpo aquilo que ela considera é que ruim. A diferença é que na anorexia esses episódios são mais raros, ocorrendo menos de duas vezes por semana e, na bulimia, os episódios de purgação ocorrem pelo menos duas vezes por semana.

Eles são uma tentativa desesperada de perder peso e normalmente só fazem com que a pessoa perca líquidos. Com os comportamentos purgativos, como a pessoa percebe que perdeu um pouco de peso ao subir na balança, ela se sente um pouco aliviada de sua obcessão. Além disso, a pessoa também pode fazer uso indiscriminado de remédios para emagrecer.

Quando a pessoa com anorexia nervosa tem predominantemente comportamentos de restrição alimentar e/ou exercícios extremos, a anorexia é classificada como do tipo restritiva. Quando a paciente com anorexia tem episódios de compulsão alimentar e comportamentos de purgação pelo menos uma vez por semana, ela é classificada como do tipo purgativa, também chamada de tipo compulsão alimentar e purgação. É relativamente comum as pessoas com anorexia nervosa passarem de um tipo para outro, especialmente do tipo restritivo para o tipo purgativo.

Uma característica das pessoas com anorexia é que o medo de ganhar peso e de se tornar uma pessoa gorda não diminui com a perda de peso. Muitas vezes o medo de engordar aumenta progressivamente apesar do emagrecimento contínuo.

A distorção da imagem corporal ocorre de diversas formas. Alguns pacientes acreditam que estão cima do peso enquanto outros acham que têm gordura acumulada em partes específicas do corpo. Como resultado, essas pessoas pode se pesar diversas vezes ao dia, ficar medindo algumas partes do corpo ou ficar se olhando no espelho.

A autoestima dessas pessoas normalmente está muito ligada ao peso corporal. Uma perda de peso é entendida como um sucesso pessoal enquanto que o ganho de peso é visto como uma falha no autocontrole. Esses pacientes podem até concordar que estão emagrecidos, mas em geral negam que existem riscos e complicações envolvidos.

Alguns autores acreditam que a anorexia nervosa possa fazer parte do espectro do transtorno obsessivo-compulsivo, no qual a pessoa tem pensamentos recorrentes e insistentes (obsessões) e comportamentos que a pessoa não consegue controlar (compulsões). Esses comportamentos podem ser identificados quando a pessoa anoréxica pratica rituais para se alimentar, se restringindo a comer um determinado tipo de alimento ou alimentos de uma determinada cor; quando faz exercícios físicos exagerados, nos quais pode se obrigar a correr uma determinada distância ou a fazer exercícios por um determinado período de tempo; quando tem uma autocobrança extrema; ou mesmo quando se olha no espelho procurando ter um corpo que considera perfeito sob seu ponto de vista.

A anorexia nervosa é um distúrbio alimentar multifatorial. Estudos mostram que existe um forte componente genético na predisposição para desenvolver tanto a anorexia quanto a bilumia. Além disso, fatores ambientais, como problemas de relacionamento no contexto familiar e a cultura da imagem, como o uso massivo de imagens de modelos muito magras, parecem contribuir significativamente para o desencadeamento da doença.

A pessoa com anorexia pode ter diversas complicações, como emagrecimento extremo (caquexia), queda de cabelos, ressecamento da pele, infecções frequentes, queda da pressão arterial (hipotensão), queda da temperatura do corpo (hipotermia), alterações e diminuição da frequência cardíaca (arritmias e bradicardia), queda do açúcar no sangue (hipoglicemia), podendo chegar a coma e morte.

O tratamento da anorexia nervosa envolve uma equipe multidisciplinar, incluindo o cuidado nutricional, médico e psicoterapêutico (particularmente com terapia cognitivo-comportamental), já que é comum a ocorrência de outros problemas psiquiátricos concomitantes, como transtornos do humor e de ansiedade.

Referência: Klein, D et al. Anorexia nervosa in adults: Diagnosis, associated clinical features, and assessment. In: UpToDate, Basow, DS (Ed), UpToDate, Waltham, MA, 2012.

Share on FacebookShare on Twitter
Eduardo Bellotto

Sobre Eduardo Bellotto

Sou Médico Nefrologista formado na Universidade Federal de São Paulo e tenho muito interesse em estudar, entender e compartilhar conhecimento sobre os principais problemas que afetam as pessoas nos dias atuais, particularmente aqueles relacionados ao estilo de vida contemporâneo, como a obesidade, o diabetes e a hipertensão.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *

*